embeb src= "http://www.anos60.com/adagio/bach_air_on.wma"type="audio/mpeg"autostart"true" loop="true">

segunda-feira, setembro 26, 2005


Chaves na mão, melena desgrenhada
Batendo o pé no chão, a mãe ordena
Que o furtado colchao, fôfo e de penas
A filha o ponha ali, ou a criada
A filha, moça esbelta e aperaltada
Lhe diz c'oa doce voz que o ar serena
Sumiu-se-lhe o colchão? É forte pena
Olhe não fique a casa arruinada
Tu respondes assim, tu zombas disto?
Tu cuidas que por ter pai embarcado
Já a mãe não tem mãos?
E dizendo isto arremete-se-lhe à cara e ao penteado
Eis se não quando
Caso nunca visto
Sai-se-lhe o colchão
De dentro do toucado
Nicolau Tolentino - 1741/1811

4 Comments:

Blogger Flávia said...

Nossa, que lindo! Adorei a parte: "já a mãe não tem mãos." Muito lindo mesmo. Pela data da poesia, as mães não deviam ter muitas mãos mesmo, sem autoridade nenhuma perante aos pais. Pelo menos a gente evoluiu um pouco.

Beijoks

5:54 da tarde  
Blogger Rita said...

:)

Obrigada pelas visitas ao meu cantinho e pelos inúmeros comentários. Adorei!
Neste momento, como já disse no anterior blog, estou numa fase complicada, mas quando o dia tiver mesmo 24 h eu prometo que estarei mais presente, não só aqui, como nos restantes blogs que costumo visitar.

Uma beijoca muito, muito grande! ;)

9:23 da manhã  
Blogger Micas said...

Já há mt tentava entrar num dos seus espaços para agradecer as visitas feitas à "micas". Espero que apareça mais vezes, será sempre bem recebida. Devo dizer que fiquei deliciada com este espaço. Voltarei com toda a certeza embora no momento ande um pouco distante, mas vou linkar, posso? Beijinho

7:44 da manhã  
Blogger Poesia Portuguesa said...

A poesia de Tolentino!! Adoro!

Bom fim de semana :)

11:06 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home