embeb src= "http://www.anos60.com/adagio/bach_air_on.wma"type="audio/mpeg"autostart"true" loop="true">

domingo, outubro 09, 2005



A um viajante



Vieste de mansinho
Insinuante
Com passinhos curtos
Mas seguros
Transportavas palavras
E sorrisos
Imagens que tocaram
Meus sentidos
Embalaste ideiais
Coração grande
Que ao abrir-se
Tocou tambem o meu
Prendeste o meu destino
Nos teus braços
Fizeste acreditar
Ao mais descrente
Que o Amor ainda
Não morreu


Zica Caldeira Cabral 09/10/05

5 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

3:57 da tarde  
Blogger Micas said...

Fiquei embalada na docura das tuas palavras, Gostei imenso do poema. A fotografia é excelente, faz-me lembrar um local perto de Dublin onde estive recentemente. Beijinho e boa semana

10:47 da tarde  
Blogger Flávia said...

Vontade de dar um "tchibum" nessa água!!!
Poesia pra lá de acolhedora.
Constata a realidade.
Beijoks

12:57 da manhã  
Blogger Manel do Montado said...

Este ainda não tinha lido. Épa! Cada vez estou mais certo nas escolhas dos blogs que fiz. É o que eu digo amiga, gostaria de escrever poesia assim, encher um coração com poucas palavras. Sabes, uma leitura destas a meio de um dia de trabalho tem o condão de nos fazer encarar o resto com mais humanidade e emlhor disposição.
Bjokas, sempre!

3:47 da tarde  
Anonymous a said...

E com este poema descreveste o que senti naquele primeiro segundo em que vi a minha filha Sara, acabadinha de nascer!

11:33 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home